Histórico

Um dos pioneiros na implantação de incubadoras de empresas no Brasil, o Estado de Santa Catarina vem integrando esforços para ampliar, de forma consciente e racional, o número de incubadoras nas diferentes regiões do estado e, ao mesmo tempo, contribuir para a consolidação daquelas que estão em funcionamento.

Há 20 anos era importante o estímulo à criação de incubadoras com o objetivo único e imediato de geração de empresas.

A RECEPET – Rede Catarinense de Entidades Promotoras de Empreendimentos Tecnológicos foi criada em 17 de outubro de 2001, com a finalidade de contribuir para o aperfeiçoamento e expansão das incubadoras, incentivar a integração entre as entidades que compõem a RECEPET, bem como outras incubadoras e promover ações de desenvolvimento tecnológico, incentivo à formação de novos empreendimentos tecnológicos e de apoio a programas de desenvolvimento do empreendedorismo. 

Em 02/09/2013, em Assembléia Geral, os associados da RECEPET decidiram alterar o nome para RECEPETi – Rede Catarinense de Inovação e fazer novo Estatuto para responder ao novo momento da Economia Catarinense e ás políticas públicas emanadas da  SDS – Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Sustentável e Governo do Estado.  O objetivo da RECEPETi foi redimensionado para promover a educação, o desenvolvimento econômico, social, cientifico e tecnológico e o empreendedorismo inovador no Estado de Santa Catarina.

Dentre outros, cabe à RECEPETi  integrar, fomentar, gerir iniciativas empresariais, acadêmicas e governamentais voltadas à inovação e ao empreendedorismo, bem como promover o intercambio de experiências, informações e cooperação técnica entre Incubadoras, Parques Tecnológicos e outras entidades de geração de novos empreendimentos e formação de empreendedores inovadores, em nível nacional e internacional.

Deste modo, a RECEPETi se habilita a potencializar as estratégias de cooperação entre as Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa, Empresas, Governo e Comunidade no Estado de Santa Catarina, visando o desenvolvimento da cultura para inovação e competitividade científica, tecnológica e empresarial.